Sorocaba recebeu o mais insano evento de pista oval do BR, e eu estava lá.


Texto e fotos por Cath Pescinelli


No último sábado, 31 de outubro, parti do Litoral Norte em direção a Sorocaba/SP. Duzentos e oitenta quilômetros depois, cheguei à cidade que também é sede do Lucky Friends Rodeo — evento anual de cultura custom que representa a cena brasileira com legitimidade caipira, fazendo bonito frente a eventos internacionais do mesmo porte. Deixei minhas malas no hotel e fui direto para a pista. A partir daqui conto o que vi e explico melhor sobre esse tipo de evento, que é novidade pra muita gente. Vem comigo!



História: Flat Track ou Pistal Oval


A competição profissional em pista oval de terra — Flat Track — tem seus primeiros registros no início do século XX nos EUA, porém não é exagero dizer que, mesmo antes, onde houvesse uma motocicleta e um pedaço de terra plano em uma fazenda, lá estaria um circuito oval. Apesar disso, a Grande Depressão Americana e a Segunda Guerra Mundial desaceleraram a evolução do esporte até os anos 1960, quando a contracultura e o motociclismo explodiram e criaram as referências que conhecemos até hoje. Nesse momento, além das precursoras americanas Indian Motorcycle e Harley-Davidson, entraram em cena montadoras de outros países, como a britânica Triumph e a japonesa Yamaha. Pelo movimento do mercado, o esporte ia tomando corpo. Depois de muitos altos e baixos ao longo das décadas vemos hoje o Flat Track mais uma vez ganhando a notoriedade que merece.

Sorocaba. 31 de outubro de 2020

Com seu jeito de antigamente misturado à habilidade profissional de seus competidores, o esporte é garantia de divertimento ao espectador, que fica com o coração na mão a cada volta — como eu fiquei.


On Track:

Expectativa e Preparação


Nas 24 horas anteriores à primeira bandeirada, a energia dos bastidores era agitada, barulhenta: teste e ajustes de motores, correria generalizada, gritos de comando entre membros das equipes e risadas. Era o momento de ter as máquinas prontas, com sorte. Além de categorias mais tradicionais como a Sportster, o evento contaria com corridas de minimoto à fantasia e motos antigas — algumas delas com mais de 70 anos de vida, como é o caso da Flathead 1946 com câmbio suicida (embreagem no pé e marcha na mão) que seria pilotada no dia seguinte por Edna do Prado. Edna estava acompanhada pelo irmão e pela mãe, que me mostrou uma foto onde ela pilota a mesma moto anos atrás, cabelos aos ventos. Já era final de tarde, e estávamos todas ansiosas para o dia seguinte.




Chegou a hora


Era o meu segundo dia no campo de provas, o Lucky Friends Arena. Hoje a energia era completamente diferente: a concentração dos pilotos era contagiante e trazia sensação de paz. Alguns, deitados no gramado, já estavam cobertos de poeira vermelha dos treinos; outros se vestiam calmamente. Bruna Wladyka, piloto da categoria FT411, correria com os homens. As categorias não possuem divisão por gênero e Bruna vem treinando há meses.

Está pronta.