NOTA SOBRE UMA MULHER DO FIM DO MUNDO

Por Ana Lara


Ontem, dia 20 de janeiro de 2022, perdemos a nossa Mulher do Fim do Mundo, mas esse texto não vai ser sobre isso, nós queremos relembrar todos os momentos em que Elza Soares nos mostrou sua vida e sua força.


Cantora de samba, carioca e, principalmente, uma mulher negra cheia de exemplos para essa e todas as próximas gerações.


Dona de uma voz marcante, fez várias turnês ao redor do mundo e foi premiada como "Melhor Cantora do Milênio" pela BBC em Londres. Em 2002, o álbum "Do Cóccix Até O Pescoço" foi indicado ao Grammy.


Vinda de uma infância pobre e sofrida, casou-se com 12 anos e aos 13 teve seu primeiro filho. Vítima de violência doméstica, da fome, da desigualdade, do luto materno, do racismo e do preconceito em relação sua aparência magra e abatida, Elza Soares, que não se calava as ofensas, mostrou ao mundo a força de uma mulher que não ia se render ao medo do sofrimento.


"Eu não uso o pescoço para enterrar no peito não, uso o pescoço para ser erguido. E a cabeça também. Como mulher negra, tenho que botar o peito para frente". Foi sua icônica reflexão em entrevista para GZH, em 2017.

Sua trajetória, apesar de doída, também é uma história de vitória: dia após dia, luta após luta, com certeza devemos muito à ela, que nasceu numa época onde mulheres tinham quase nenhuma voz, onde ser artista era pejorativo e ser dona de si era um absurdo. Nós caminhamos por trilhas construídas por mulheres assim.


Não podíamos deixar de expressar nosso agradecimento por tanto.


Obrigada por tudo, Elza Soares!



11 visualizações

Posts recentes

Ver tudo