Maciel e suas asas

Por Alice Castro

Fotos: arquivo pessoal


Quando o que nos limita somos nós mesmas, se vencemos o pessimismo (nosso e alheio), nada nos pára, certo?! Esse é o caso da Raphaela Maciel, conhecida das redes sociais como a Maciel, nome que ela escolheu para o seu Instagram - @prazermaciel.


Modelo fotográfico, proprietária criativa da marca OlgaZarra e mãe da pequena Olga, essa pilota capricorniana de 29 anos se apresenta “correndo contra o tempo e as adversidades da vida” com sua Intruder 125 cc. E é com sua moto que ela trabalha, entregando as peças que confecciona à mão para a sua marca, além de desbravar desafios pelas estradas do Centro-Oeste.


Bora então conhecer a história dela?!

O que mais acho bacana em tudo isso, é poder viver e me sentir realmente completa, fazendo as coisas que eu gosto e com as pessoas que eu gosto nos rolé.”

Por um lance do destino (ou diremos sorte mais tarde) com a perda de seu carro, que Maciel conquistou a sua "motinha". Pegou uma grana emprestada com seu amigo Boi (@duke_sk8) para não ficar sem condução, e realizou o sonho de pilotar há apenas 3 anos, mesmo já possuindo habilitação na categoria A desde os 18 anos.


“me lembro até hoje do dia que buscamos ela na lojinha de motos usadas, e eu sem nem saber o que estava fazendo, ou o que tinha que fazer em cima da motinha”

“Eu gosto muito de todos os estilos de moto, mas ao conhecer o Jimmy (@steelcustombsb), ele me mostrou que poderia ser muito possível ter uma moto legal e customizada, mesmo com a grana curta.”

E foi o que fez, após uma customização que durou apenas 2 meses, e que a levou vender seu vídeo game, celular e “um monte de coisas” para pagar a conta. Hoje sua moto, Pandora, lembra o estilo cafe racer bratstyle, e as suas customizações ainda não pararam.


“Após um acidente bem feio que tive com ela, aproveitei e mudei algumas coisas como guidão, escapamento e o marcador de combustível externo.”

Olhando por esse lado, Maciel nos passa o exato otimismo com que lida com os obstáculos. Para a gente ver que nada desanima essa garota!



Empreendedorismo


Mas antes da moto entrar na sua vida, foi a gravidez que a motivou, ao final de 2014, dar asas à sua criatividade com a marca Olgazarra. Cansada do emprego em shopping, e decidida ter tempo para se dedicar à maternidade, buscou algo que lhe propiciasse trabalhar dentro de casa.


Ao fim da licença-maternidade, investiu a grana que tinha em uma máquina de costura usada e, por meio de vídeos tutoriais no YouTube, aprendeu a costurar uma primeira camisa de botão. E deu certo!

Quando estava grávida e descobri que era uma menina, eu queria um nome pequeno e forte.” Por sugestão de um amigo escolhi Olga. Na época ninguém queria “Olga”, achavam nome velho, feio, tipo forte demais prá uma criança.